Guilherme Paulus trabalha duro para tornar-se o maior hoteleiro do país

Construir uma carreira longa e de sucesso é o sonho de muita gente. Muitos acreditam que a construção de um patrimônio bilionário seria a justificativa ideal para se desfrutar da aposentadoria dos sonhos. No entanto, o empreendedor e empresário Guilherme Paulus não compartilha, definitivamente, deste pensamento. Nascido no ano de 1949, o bacharel em administração de empresas ultrapassou a marca de cinquenta anos de experiência no ramo turístico e, até os dias de hoje, encontra muito prazer em sua rotina de trabalho. O empresário costuma acordar às 06:30 da manhã todos os dias para poder fazer aquilo que gosta: visitar canteiros de obras, produzir riquezas e, acima de tudo, tomar decisões.

A fantástica trajetória de Guilherme Paulus atesta que o trabalho está intrinsecamente vinculado ao seu DNA. Na década de 70, na cidade de Santo André no ABC Paulista, o empresário encontrava-se diante de um desafio gigantesco: transformar uma problemática e endividada agência de viagens em um negócio próspero e rentável. Pois assim o fez. Em poucas décadas, a CVC Viagens conseguiu se consagrar como uma das maiores operadoras de viagens do mundo. Essa rápida e expressiva evolução foi possível graças à capacidade visionária e peculiar de seu condutor.

A princípio, Guilherme Paulus apostou no potencial econômico da região do ABC Paulista e nos clientes que esta região poderia oferecer. O empresário percebeu que essa região, fortemente industrializada, demandaria uma solução eficiente e barata para o transporte rodoviário de pessoas. Essa visão frutificou e lançou as bases para o crescimento da empresa. Posteriormente, o empreendedor Guilherme Paulus visualizou uma estratégia de negócio diferenciada e muito promissora. Ao invés de dedicar-se apenas ao modal rodoviário, a CVC passou a oferecer pacotes aéreos com a possibilidade de parcelamento dos custos. Essa estratégia demonstrou-se genial. O parcelamento dos preços dos pacotes aéreos facilitou o acesso ao serviço e acabou por ampliar sobremaneira o número de clientes da empresa. Em 2009, a maior parte da CVC Viagens foi vendida por aproximadamente 1 bilhão de reais ao grupo norte-americano Carlyle. Esse feito colocou o empresário Guilherme Paulus na seleta lista de bilionários da FORBES Brasil.

Paulus parece ainda ter muito combustível para queimar. Atualmente, o empreendedor e empresário tem se dedicado à construção de outro império: a GJP Hotels & Resorts. No ano de 2015, o negócio já operava com ativos da ordem de 500 milhões de reais. Bandeiras de renome compõem o portfólio da empresa. Dentre estas, destacam-se a bandeira Wish com cinco estrelas e a Prodigy com 4 estrelas. Paulus tem trabalhado arduamente para se tornar o maior hoteleiro do país. Para alcançar esta meta, o empresário compartilha as filosofias que lhe acompanham desde cedo. Para ele, sucesso é o resultado de 10% de inspiração e outros 90% de transpiração. Paulus ressalta, também, a importância de se ter foco e de se acreditar no negócio. O empresário dá uma dica de ouro ao salientar a importância do atendimento personalizado e de um ótimo departamento de vendas.

Forças Armadas cuidarão da parte logística do Programa Mais Médicos

Foi autorizado pelo Ministério da Defesa o uso das Forças Armadas no auxílio logístico ao Programa Mais Médicos. As notícias sobre essa decisão foram divulgadas no DOU (Diário Oficial da União) do dia 16 de janeiro de 2019. Essa forma de operação logística com o apoio das forças armadas ao Programa Mais Médicos contará com a Marinha, Exército e Aeronáutica. De acordo com Fernando Azevedo, ministro da Defesa, o comando das operações junto ao programa será de sua responsabilidade, contando com todos os recursos das Forças Armadas em auxílio ao programa.

A portaria da seção 1, página 19, publicada no dia 16 de janeiro deste ano no DOU, revela que a atuação dos militares em auxílio ao programa será de hospedagem, recepção, distribuição de medicamentos, transporte, supervisão, segurança e apoio logístico aos médicos do programa. Um oficial do Exército, Marinha e Aeronáutica será designado para manter-se em comunicação com os demais militares envolvidos.

Segundo os responsáveis pelo programa o apoio dos militares brasileiros será extremamente importante. A participação dos militares em aeroportos, rodovias e portos de forma integral irá agilizar e aumentar muito a capacidade de atendimento aos municípios de difícil acesso. O Programa Mais Médicos também terá total apoio dos ministérios da Educação e Saúde somados ao apoio da Casa Civil.

Segundo o último levantamento realizado pelo programa revelado no dia 11 de janeiro deste ano, 1.462 vagas ainda estão esperando para serem preenchidas. De acordo com o Ministério da Saúde, o número total de vagas do programa é de 8.517 anunciadas durante o processo de saída dos médicos cubanos. No entanto, 17,2% dessas vagas ainda não foram preenchidas.

No dia 10 de janeiro deste ano, o prazo final de apresentação dos médicos brasileiros em cada município que optaram como local de trabalho se encerrou. Durante essa fase de escolha do local de trabalho pelos médicos brasileiro que agregaram ao Mais Médicos, apenas 1.087 dos 1.707 inscritos se apresentaram ao seus postos de trabalho até o dia 10 de janeiro deste ano. Isso mantém as vagas em abertas e médicos com interesse podem se inscrever no programa e tentar uma vaga.

Guilherme Paulus se firma como um dos principais nomes na hotelaria nacional

Guilherme Paulus é um dos empreendedores mais bem-sucedidos do Brasil, tendo em seu currículo trajetórias de sucesso com a CVC e com a GJP Hotéis & Resorts. Durante sua trajetória, já deu palestras com dicas para novatos no setor. De acordo com ele, acreditar no negócio é crucial para o seu sucesso. Além disso, Paulus também pontua que é necessário planejamento, mas ao mesmo tempo a desenvoltura de lidar com o inesperado.

Em seus 40 anos de atividade, Guilherme Paulus conseguiu transformar a CVC na maior agência de viagens da América Latina e a terceira maior do mundo. A agência conta com 8 mil agentes de viagem, 700 lojas e mais de 2 milhões de passageiros que embarcam de forma aérea, marítima ou terrestre anualmente. Em toda a história da operadora de viagens, houve muita inovação. A empresa foi pioneira no fretamento de aeronaves para voos para fora do Brasil e também inovou ao oferecer a possibilidade de parcelamento em pacotes aéreos.

Recentemente, a CVC faturou R$ 3 bilhões em um ano, oferecendo viagem marítima, aérea e terrestre para mais de 100 destinos e centenas de lojas pelo Brasil. A agência foi criada em 1972, numa parceria entre Guilherme Paulus e o então deputado Carlos Vicente Cerchiari. O deputado vendeu sua parte na sociedade em 1974, enquanto Paulus seguiu focado na agência.

Em seu comando, a CVC já ganhou diversos prêmios e homenagens. Em 2011, por exemplo, a agência de viagens venceu prêmio de Melhor Operadora de Turismo, honraria dada por leitores da revista Viagem e Turismo. Mas este não foi o único. Também ganhou Top of Mind em São Paulo, pela Folha de São Paulo e ouro na categoria Melhor Navio de Cruzeiro, em 2008, pelo transatlântico Zenith.

Sua jornada com a GJP Hotéis & Resorts também foi de sucesso. Guilherme Paulus é o sócio majoritário da empresa, que tem na rede o completo Serrano Resort Convenções & Spa, localizado em Gramado (Rio Grande do Sul) e considerado o melhor hotel de serra do país. Ainda em Gramado, gerencia o castelo Saint Andrews e o hotel Alpenhaus Gramado. O castelo Saint Andrews segue o conceito de exclusive house. A GJP Hotéis & Resorts tem hotéis e resorts também em Porto Alegre, São Porto de Galinhas, Porto Seguro, Bento Gonçalves e mais.

A carreira de Guilherme Paulus também lhe rendeu uma série de homenagens e prêmios. Em 2007 e 2010, por exemplo, ganhou título de Executivo de Valor pelo jornal Valor Econômico. A revista Consumidor Moderno o considerou o empresário Revolucionário das Relações de Consumo. Em 2011, recebeu homenagem, medalha e certificado da então ministra da Economia e Turismo da França. O título francês foi dado pelo fato da CVC ser a operadora que mais garante a viagem de lazer de brasileiros para este país europeu.

A homenagem da França não foi a única internacional. Paulus também coleciona em seu currículo reconhecimento de prefeituras de Cancun, no México, Buenos Aires e Bariloche, na Argentina, Miami, nos Estados Unidos, e Isla Margarita, na Venezuela. Em território nacional, já recebeu títulos de cidadão de várias cidades, como Natal, Gramado, Recife e Santo André, na região metropolitana de São Paulo. No Rio Grande do Sul, recebeu a Medalha do Mérito Farroupilha, honraria máxima do Estado. Com tantas honrarias, homenagens e duas grandes empresas estáveis no currículo, Paulus se firma como um dos principais nomes do setor no Brasil e no mundo.

Novo detector de câncer semelhante a um bafômetro é testado na Inglaterra

Segundo o Cancer Research UK Cambridge Center, importante instituto britânico de combate ao câncer, foram iniciados os testes com o aparelho que pode identificar a presença de diferentes tipos de câncer através de um teste semelhante ao bafômetro. O novo aparelho passou a ser testado em janeiro de 2019, sendo visto como uma das maiores revoluções na área da saúde e no combate a doença. As notícias sobre o andamento dos testes com o novo detector de câncer foram divulgadas no dia 7 de janeiro deste ano.

Como um bafômetro, o novo aparelho funciona com o contato da respiração do paciente com o aparelho. O detector faz uma análise química de diversas partículas envolvidas na respiração de uma pessoa e lança dados sobre a presença da doença entre essas partículas. Segundo os criadores do detector, o câncer deixa um rastro que pode ser verificado na respiração de uma pessoa logo nos estágios iniciais da doença.

Para ter certeza da eficácia deste novo aparelho detector de câncer, o instituto britânico coletou 1.500 amostras de pessoas em geral, sendo muitas dessas amostras de pessoas que já tinham o diagnóstico de câncer confirmado antes da coleta. “Necessitamos desenvolver novos métodos de verificação da doença urgentemente, métodos simples e eficazes como este que está sendo testado. Isso é extremamente importante para que os pacientes identificados com a doença recebam um tratamento a tempo”, afirmaram os pesquisadores envolvidos com a criação do detector.

“Com este novo teste, nós esperamos encontrar sinais da doença na respiração dos pacientes, sinais precisos que possam identificar um paciente com câncer logo nos primeiros estágios”, reforçam os criadores do aparelho. O aparelho vem sendo testado na detecção de câncer de estômago e esôfago. Mas os pesquisadores deverão fazer testes com o novo aparelho para detectar câncer no fígado, pâncreas, rim e próstata.

Ainda segundo os criadores do aparelho, o detector deve ser utilizado com outros tipos de teste para que o resultado possa ser confirmado. “O potencial de detecção da doença com esse novo aparelho é muito grande, mas ele deve seguir alinhado com outros testes, como o de sangue, urina e diagnóstico por imagem, métodos de detecção já utilizados”, explicam os criadores do aparelho.

O que o empreendedorismo social não é

Um termo que ouço cada vez mais hoje em dia é “empreendedor social”. Nos termos mais simples, são pessoas que buscam gerar “valor social”, em vez de lucros, e usam princípios tradicionais de negócios para criar e administrar um empreendimento para fazer mudança social.

Na superfície, isso soa como empreendedores que querem construir uma organização sem fins lucrativos. No entanto, o termo parece estar mais associado a pessoas cujo trabalho é voltado para mudanças socioeconômicas de longo prazo. Pense Margaret Sanger (controle de natalidade) ou Mahatma Gandhi (não violento), em oposição aos líderes da Cancer Society ou Goodwill Industries.

Se o objetivo é gerar lucros ou capital social, o elemento comum para todos os empreendedores é o reconhecimento de que há um problema que precisa ser resolvido ou há uma oportunidade de melhorar o status quo.

A visão é sempre ser um agente de mudança, inventar e popularizar novas abordagens e persuadir as pessoas a dar um salto adiante. Em todos os casos, isso requer um realista comprometido com a determinação de persistir diante de probabilidades assustadoras.

Outra maneira de distinguir entre os dois tipos de empreendedorismo é identificar o que o empreendedorismo social não é:

Não é uma estratégia de captação de recursos para organizações sem fins lucrativos. Uma empresa social pode, na verdade, ser lucrativa, ou pode ser sem fins lucrativos, mas a geração de fundos é considerada secundária para o sucesso nas questões ambientais ou sociais da visão. A geração de fundos não deve ser a maior prioridade.

Não sobre lucro antes do impacto social. Uma empresa social deve ser financeiramente sustentável apenas como um meio para o fim, que é o seu impacto social ou ambiental e taxa de mudança. A missão do empreendedor de negócios é o lucro sempre, talvez o impacto social.

Não é uma nova definição para o setor sem fins lucrativos. O objetivo evidente e real do empreendimento social deve ser tornar o mundo um lugar melhor, através da operação do negócio. Isso certamente também tem potencial para aumentar a vitalidade do setor sem fins lucrativos, mas não o leva a um plano moral mais elevado.

Empreendedorismo pessoal

Os empresários têm que lidar com muitos custos. As notícias sobre o sucesso em marketing, suprimentos, equipamentos ou serviços, as empresas iniciantes precisam gastar muito dinheiro. Enquanto o capital é geralmente difícil de encontrar em startups, o pincher centavo garante que eles tirem o máximo proveito do seu dinheiro.

Se um dólar pode ser salvo, você pode acreditar que ele ou ela vai fazer o possível para garantir que você obtenha o melhor negócio. Penny pinchers são cruciais porque todas as economias podem se acumular com o passar do tempo.

As muitas personalidades dos empreendedores – características de caráter que todos os negócios precisam 05Toda startup precisa de um vigarista. Não importa quão bons sejam os indivíduos no negócio, eles precisam de alguém para fazer as coisas acontecerem. O trapaceiro é muitas vezes o papel mais difícil de encontrar, mas pode colher os maiores benefícios. O trapaceiro não tem um trabalho específico.

O trabalho do hustler é ajudar a empresa iniciante a obter a atenção da mídia de que precisa ou agendar uma reunião com o grande CEO corporativo. O vigarista vai acima e além de usar o seu “caminho com as palavras” para alcançar o impossível.

As muitas personalidades dos empreendedores – características de caráter que todos os negócios precisam 06

Um trabalho extremamente importante, especialmente em startups maiores, é um gerente forte. Mesmo que todos possam estar no mesmo campo, alguém deve estar lá para gerenciar relacionamentos em toda a empresa. Para ser bem sucedido, todos devem estar trabalhando para um objetivo.

O trabalho do gerente é garantir que todos na empresa iniciante estejam jogando de forma justa e satisfeita uns com os outros.

Independentemente do setor em que você trabalha, essas personalidades precisam ser preenchidas por sua equipe de uma forma ou de outra. Para alcançar o sucesso no mundo do empreendedorismo, é preciso muito mais do que uma equipe de membros e uma ideia. A competição exige que colaboremos e estabeleçamos um grupo forte trabalhando para alcançar o mesmo objetivo.

“O talento vence jogos, mas o trabalho em equipe e a inteligência conquistam campeonatos.” – Michael Jordan.

Empresas de tecnologia do Japão planejam lançar carros que voam já nos próximos anos

O governo japonês, em parceria com as principais empresas automobilísticas e de tecnologia do país, está planejando começar a vender veículos voadores para o uso urbano já a partir de 2023.

Depois de meses de negociações, um grande comitê foi criado, o qual conta com representantes do setor privado e também de vários ministérios do governo, como Transporte, Turismo, Economia e outros. De acordo com o CEO da empresa Skydrive, Tomohiro Fukuzawa, o objetivo do carro voador é oferecer um preço razoável, bem abaixo de um avião ou helicóptero, além de uma facilidade maior de ser pilotado.

Na Skydrive, mais de 400 pessoas já estão trabalhando nos protótipos de fabricação do carro voador Skydrive. Um dos maiores investidores da empresa é a multinacional Toyota, que pretende acelerar esse projeto para que algo já seja apresentado durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2020, sediados na capital Tóquio.

Após esse plano de ser apresentado na abertura das Olimpíadas, o projeto de lançamento do carro voador da Skydrive ainda levará mais alguns anos, pois será preciso preparar uma série de fatores até que ele possa ser implantado como transporte urbano, incluindo grandes reformas infraestruturais e na legislação de trânsito.

A produção em massa desse modelo de veículo voador deverá começar a partir de 2026, e tem como maior desafio o alto valor agregado do automóvel, que por enquanto está calculado na faixa de 50 milhões de ienes, cerca de US$ 450 mil na cotação atual.

Por essa razão, em notícias veiculadas pela imprensa japonesa, o CEO da Skydrive informou que o governo está estudando a possibilidade de utilizar os carros voadores como uma nova opção de transporte público. Ao ser utilizado como uma espécie de táxi aéreo, dividido entre um grupo de passageiros, o valor por esse transporte se tornaria mais razoável.

Em relação ao tamanho do veículo, ele deverá ter cerca de 3,5 metros de comprimento, 3 metros de largura e 1 metro de altura, o que possibilitará que a sua decolagem seja feita de modo vertical. Os primeiros testes realizados com pilotos humanos deverão ter início no segundo semestre de 2019, assim como os ajustes finais do protótipo inicial.

Papai Noel anônimo doa dinheiro para viúva passar primeiro Natal sem o marido

Uma boa ação marcou o Natal de uma mulher nos Estados Unidos. Casada e mãe de quatro crianças, ela viveu o momento traumatizante de ver seu marido morrer em seus braços em setembro de 2018. O homem tinha apenas 37 anos e faleceu em decorrência de uma grave reação a picadas de vespas.

A família estava em luto e não havia clima para um Natal feliz, pois a morte do patriarca ainda era muito recente em seus corações cheios de saudades. Foi então que um doador ficou sabendo da história e decidiu doar dez mil dólares para ajudar com as despesas da família.

A surpresa aconteceu em uma situação armada pelo jornal de notícias East Idaho News. Os repórteres se vestiram com gorro de Papai Noel e um deles abordou Abby e seus filhos. Ele disse que lhe daria um presente e a surpreendeu ao entregar o cheque, fazendo-a a chorar pelo presente chegado em boa hora e pela saudade do marido que pulsava ainda mais forte em seu peito.

Abby tem tido muita dificuldade financeira para manter os filhos, pois ainda não conseguiu receber a apólice do seguro de vida do marido, que era um militar da reserva do exército dos EUA. O dinheiro a ajudará a se manter enquanto não recebe o valor esperado e tenta, a duras penas, seguir em frente e se organizar para criar quatros crianças sozinha.

O vídeo da surpresa foi divulgado pelo Inside Edition e repercutiu em todo o mundo, pois a simplicidade e sinceridade da mulher e de suas crianças foram comoventes. No decorrer da entrevista, Abby contou com tristeza sobre a morte do marido e o quanto tem sido difícil a vida sem ele.

Quem acompanhou a surpresa pela internet ou TV norte-americana apoiou a iniciativa e se comoveu com a história de vida de Abby, que representa milhares de mulheres que tiveram suas vidas mudadas radicalmente e precisaram assumir os cuidados com os filhos sozinhas. O espirito do Natal deixou sua marca de esperança para essa família.

Fundo poderá pagar a agricultores do Cerrado US$ 150 por preservação ambiental

A Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais) abriu uma nova discussão em torno dos produtores de soja. Essa discussão propõe que o governo federal crie uma espécie de fundo para recompensar aqueles que produzem soja e preservam a vegetação nativa que existe nas fazendas. Nesse caso, o fundo será fornecido apenas para os produtores de soja que atuam no Cerrado, considerando que a vegetação nativa dessa região é extremamente importante para diversos aspectos ambientais.

Essa é a resposta que o Brasil tem a oferecer aos europeus, que são os maiores compradores de soja do país. Com a preocupação cada vez maior sobre o desmatamento de vegetações nativas, a associação considera que essa bonificação aos produtores de soja poderá contribuir para que mais produtores passem a preservar essas vegetações nas fazendas do Cerrado. A partir dessa medida, compradores da europa poderão comprar de forma mais consciente a soja que é produzida no Brasil.

A criação do fundo foi informada pelo gerente de sustentabilidade da associação, Bernardo Pires, através de uma coletiva de imprensa que ocorreu no dia 14 de dezembro de 2018. Durante o evento, o gerente de sustentabilidade também falou sobre o Cerrado e a área ocupada pela vegetação nativa atualmente.

De acordo com a Abiove, o Cerrado é composto por cerca de um quarto de todo território nacional, sendo que metade de sua vegetação já foi destruída por causa das atividades agrícolas. Atualmente, a área é considerada o coração agrícola do país. Por isso, é importante reforçar aos produtores agrícolas da região sobre a necessidade de se preservar a vegetação nativa.

A legislação contra o desmatamento no Cerrado é muito menos rigorosa do que é aplicado em áreas onde há a vegetação da Floresta Amazônica. Isso significa que os produtores do Cerrado possuem limites de desmatamento que nem se comparam em termos de rigorosidade do que é aplicado em relação a Floresta Amazônica. No Cerrado, as leis determinam que os produtores rurais preservam de 20% a 35% da vegetação nativa das fazendas.

Segundo notícias divulgadas pela Abiove, o fundo proposto seria destinado aos agricultores que se destacassem em relação a preservação da vegetação nativa de suas fazendas. Considerando essa proposta, a Abiove sugere que os agricultores dentro dessas características recebam US$ 150 a cada hectare de suas fazendas onde a vegetação foi preservada. Nesse caso, apenas as áreas que poderiam ser desmatadas legalmente contarão para o recebimento do fundo. As áreas que não podem ser desmatadas não serão pagas aos agricultores.