Metais tóxicos são encontrados em sucos de frutas populares nos Estados Unidos

Sucos de uva e misturas de suco tiveram os maiores níveis de metais pesados, de acordo com a Consumer Reports. O Suco de Maçã Prensado Fresco Trader Joe foi supostamente o único produto encontrado acima do limite proposto pelo FDA para o arsênico inorgânico.

Aos que consomem sucos de frutas, convém reconsiderar quais tipos estão comprando. Avaliações sem fins lucrativos e site de revisão Consumer Reports testou recentemente 45 sucos de frutas vendidos nos EUA, e de acordo com as notícias sobre os resultados, marcas muito populares no país, poderiam conter metais pesados tóxicos para a saúde humana.

Além disso os pesquisadores testaram sucos de maçã, uva e pêra, bem como misturas de frutas e descobriram que todos os produtos no teste tinham níveis mensuráveis de pelo menos um dos seguintes: cádmio, arsênico inorgânico, chumbo ou mercúrio. Vinte e um dos 45 sucos testados tinham níveis “preocupantes” de pelo menos um metal. Os metais pesados em alimentos e bebidas são obviamente insalubres para os adultos, mas as crianças são as mais vulneráveis aos seus efeitos nocivos.

Jennifer Lowry, que é diretora de farmacologia clínica, toxicologia e inovações terapêuticas da Children’s Mercy Kansas City, disse “a exposição a esses metais pode afetar a trajetória de toda a vida das crianças. Há muito desenvolvimento acontecendo nos primeiros anos de vida”.

Nesse sentido, os efeitos negativos que nossas crianças estão expostas podem incluir QI reduzido, problemas comportamentais, incluindo TDAH, diabetes tipo 2, câncer e muito mais. Embora seja menos comum, os adultos também podem desenvolver problemas de saúde na bexiga, pulmão, até mesmo câncer de pele, problemas cognitivos e reprodutivos, e diabetes tipo 2.

Para conduzir essa pesquisa, foram utilizadas três amostras de cada produto de varejistas em todo os EUA e categorizou os produtos com base na quantidade de suco que apresentaria um risco de exposição.

“Nossa maior prioridade é fornecer produtos seguros e de alta qualidade em que as pessoas possam confiar”, disse um porta-voz da Coca-Cola, dona da Minute Maid e da Honest Kids. “Nossas marcas de sucos obtêm frutos de muitos produtores diferentes e todos os nossos fornecedores devem aderir às inspeções e regulamentações estabelecidas nos EUA, bem como às políticas rigorosas da empresa, se quiserem que comprem seus produtos.”

Surfistas de São Paulo movimentam ramo no país

O surf é um esporte praticado por pessoas que gostam de sentir as ondas do mar e fazer manobras diante do desafio de estar sempre bem posicionado na prancha. Nisso, até mesmo a cidade de São Paulo sem ter nenhuma praia se destaca nesse ramo. Com aproximadamente 150 000 praticantes, o comércio de surf somente na capital movimenta por ano 1,5 bilhão de reais. Nada mal para uma cidade repleta de edifícios distantes da beira do mar. O consumo da cidade é equivalente a 25% do total do surfe no Brasil.

Com as vitórias nos campeonatos mundiais de surf, o fervor e as notícias no ramo crescem ainda mais. O jovem surfista Gabriel Medina já tem em seu rol de conquistas a 2º medalha de campeão do mundo nas ondas de Pipeline.

São várias opções na cidade que disponibilizam produtos para surfistas. Na Zona Sul, no bairro de Moema, existem lojas tradicionais de surf como a Surfers Paradise e a Flutuar. Para quem quiser uma prancha mais personalizada, o ideal é ir atrás de um shaper, profissional que produz pranchas sob medida. O shaper Alexandre Flora produz até cinquenta pranchas por dia em sua fábrica na Zona Oeste, na Vila Romana. Em Pinheiros, quem quiser passar um tempo em um clima praiano apenas precisa visitar o Lar Mar, local com comidas e decoração voltada para o mundo do surf.

Para motivar ainda mais os consumidores, eventos agitam os praticantes da cidade ainda que o mar esteja sem onda, o que pode ser chamado de mar flat. Na Avenida Paulista, no mês de janeiro é realizado o Festivalma, que abrange a cultura do esporte em sua 13º edição.

O site Board Trader Show presta o serviço de informar como estão as condições do mar em 180 praias da costa brasileira. Por mês o site recebe mais de 700 000 visitantes, sendo o segundo maior portal de surfe do mundo.

O perfil do surfista paulista não é aquele que está ligado a alguém que vive somente esperando a próxima série ondas, o chamado swell. O economista Lucas Freitas, por exemplo, aproveita o tempo que tem para praticar o esporte e relaxar da rotina do escritório.

Guilherme Paulus trabalha duro para tornar-se o maior hoteleiro do país

Construir uma carreira longa e de sucesso é o sonho de muita gente. Muitos acreditam que a construção de um patrimônio bilionário seria a justificativa ideal para se desfrutar da aposentadoria dos sonhos. No entanto, o empreendedor e empresário Guilherme Paulus não compartilha, definitivamente, deste pensamento. Nascido no ano de 1949, o bacharel em administração de empresas ultrapassou a marca de cinquenta anos de experiência no ramo turístico e, até os dias de hoje, encontra muito prazer em sua rotina de trabalho. O empresário costuma acordar às 06:30 da manhã todos os dias para poder fazer aquilo que gosta: visitar canteiros de obras, produzir riquezas e, acima de tudo, tomar decisões.

A fantástica trajetória de Guilherme Paulus atesta que o trabalho está intrinsecamente vinculado ao seu DNA. Na década de 70, na cidade de Santo André no ABC Paulista, o empresário encontrava-se diante de um desafio gigantesco: transformar uma problemática e endividada agência de viagens em um negócio próspero e rentável. Pois assim o fez. Em poucas décadas, a CVC Viagens conseguiu se consagrar como uma das maiores operadoras de viagens do mundo. Essa rápida e expressiva evolução foi possível graças à capacidade visionária e peculiar de seu condutor.

A princípio, Guilherme Paulus apostou no potencial econômico da região do ABC Paulista e nos clientes que esta região poderia oferecer. O empresário percebeu que essa região, fortemente industrializada, demandaria uma solução eficiente e barata para o transporte rodoviário de pessoas. Essa visão frutificou e lançou as bases para o crescimento da empresa. Posteriormente, o empreendedor Guilherme Paulus visualizou uma estratégia de negócio diferenciada e muito promissora. Ao invés de dedicar-se apenas ao modal rodoviário, a CVC passou a oferecer pacotes aéreos com a possibilidade de parcelamento dos custos. Essa estratégia demonstrou-se genial. O parcelamento dos preços dos pacotes aéreos facilitou o acesso ao serviço e acabou por ampliar sobremaneira o número de clientes da empresa. Em 2009, a maior parte da CVC Viagens foi vendida por aproximadamente 1 bilhão de reais ao grupo norte-americano Carlyle. Esse feito colocou o empresário Guilherme Paulus na seleta lista de bilionários da FORBES Brasil.

Paulus parece ainda ter muito combustível para queimar. Atualmente, o empreendedor e empresário tem se dedicado à construção de outro império: a GJP Hotels & Resorts. No ano de 2015, o negócio já operava com ativos da ordem de 500 milhões de reais. Bandeiras de renome compõem o portfólio da empresa. Dentre estas, destacam-se a bandeira Wish com cinco estrelas e a Prodigy com 4 estrelas. Paulus tem trabalhado arduamente para se tornar o maior hoteleiro do país. Para alcançar esta meta, o empresário compartilha as filosofias que lhe acompanham desde cedo. Para ele, sucesso é o resultado de 10% de inspiração e outros 90% de transpiração. Paulus ressalta, também, a importância de se ter foco e de se acreditar no negócio. O empresário dá uma dica de ouro ao salientar a importância do atendimento personalizado e de um ótimo departamento de vendas.

Guilherme Paulus se firma como um dos principais nomes na hotelaria nacional

Guilherme Paulus é um dos empreendedores mais bem-sucedidos do Brasil, tendo em seu currículo trajetórias de sucesso com a CVC e com a GJP Hotéis & Resorts. Durante sua trajetória, já deu palestras com dicas para novatos no setor. De acordo com ele, acreditar no negócio é crucial para o seu sucesso. Além disso, Paulus também pontua que é necessário planejamento, mas ao mesmo tempo a desenvoltura de lidar com o inesperado.

Em seus 40 anos de atividade, Guilherme Paulus conseguiu transformar a CVC na maior agência de viagens da América Latina e a terceira maior do mundo. A agência conta com 8 mil agentes de viagem, 700 lojas e mais de 2 milhões de passageiros que embarcam de forma aérea, marítima ou terrestre anualmente. Em toda a história da operadora de viagens, houve muita inovação. A empresa foi pioneira no fretamento de aeronaves para voos para fora do Brasil e também inovou ao oferecer a possibilidade de parcelamento em pacotes aéreos.

Recentemente, a CVC faturou R$ 3 bilhões em um ano, oferecendo viagem marítima, aérea e terrestre para mais de 100 destinos e centenas de lojas pelo Brasil. A agência foi criada em 1972, numa parceria entre Guilherme Paulus e o então deputado Carlos Vicente Cerchiari. O deputado vendeu sua parte na sociedade em 1974, enquanto Paulus seguiu focado na agência.

Em seu comando, a CVC já ganhou diversos prêmios e homenagens. Em 2011, por exemplo, a agência de viagens venceu prêmio de Melhor Operadora de Turismo, honraria dada por leitores da revista Viagem e Turismo. Mas este não foi o único. Também ganhou Top of Mind em São Paulo, pela Folha de São Paulo e ouro na categoria Melhor Navio de Cruzeiro, em 2008, pelo transatlântico Zenith.

Sua jornada com a GJP Hotéis & Resorts também foi de sucesso. Guilherme Paulus é o sócio majoritário da empresa, que tem na rede o completo Serrano Resort Convenções & Spa, localizado em Gramado (Rio Grande do Sul) e considerado o melhor hotel de serra do país. Ainda em Gramado, gerencia o castelo Saint Andrews e o hotel Alpenhaus Gramado. O castelo Saint Andrews segue o conceito de exclusive house. A GJP Hotéis & Resorts tem hotéis e resorts também em Porto Alegre, São Porto de Galinhas, Porto Seguro, Bento Gonçalves e mais.

A carreira de Guilherme Paulus também lhe rendeu uma série de homenagens e prêmios. Em 2007 e 2010, por exemplo, ganhou título de Executivo de Valor pelo jornal Valor Econômico. A revista Consumidor Moderno o considerou o empresário Revolucionário das Relações de Consumo. Em 2011, recebeu homenagem, medalha e certificado da então ministra da Economia e Turismo da França. O título francês foi dado pelo fato da CVC ser a operadora que mais garante a viagem de lazer de brasileiros para este país europeu.

A homenagem da França não foi a única internacional. Paulus também coleciona em seu currículo reconhecimento de prefeituras de Cancun, no México, Buenos Aires e Bariloche, na Argentina, Miami, nos Estados Unidos, e Isla Margarita, na Venezuela. Em território nacional, já recebeu títulos de cidadão de várias cidades, como Natal, Gramado, Recife e Santo André, na região metropolitana de São Paulo. No Rio Grande do Sul, recebeu a Medalha do Mérito Farroupilha, honraria máxima do Estado. Com tantas honrarias, homenagens e duas grandes empresas estáveis no currículo, Paulus se firma como um dos principais nomes do setor no Brasil e no mundo.

Fundo poderá pagar a agricultores do Cerrado US$ 150 por preservação ambiental

A Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais) abriu uma nova discussão em torno dos produtores de soja. Essa discussão propõe que o governo federal crie uma espécie de fundo para recompensar aqueles que produzem soja e preservam a vegetação nativa que existe nas fazendas. Nesse caso, o fundo será fornecido apenas para os produtores de soja que atuam no Cerrado, considerando que a vegetação nativa dessa região é extremamente importante para diversos aspectos ambientais.

Essa é a resposta que o Brasil tem a oferecer aos europeus, que são os maiores compradores de soja do país. Com a preocupação cada vez maior sobre o desmatamento de vegetações nativas, a associação considera que essa bonificação aos produtores de soja poderá contribuir para que mais produtores passem a preservar essas vegetações nas fazendas do Cerrado. A partir dessa medida, compradores da europa poderão comprar de forma mais consciente a soja que é produzida no Brasil.

A criação do fundo foi informada pelo gerente de sustentabilidade da associação, Bernardo Pires, através de uma coletiva de imprensa que ocorreu no dia 14 de dezembro de 2018. Durante o evento, o gerente de sustentabilidade também falou sobre o Cerrado e a área ocupada pela vegetação nativa atualmente.

De acordo com a Abiove, o Cerrado é composto por cerca de um quarto de todo território nacional, sendo que metade de sua vegetação já foi destruída por causa das atividades agrícolas. Atualmente, a área é considerada o coração agrícola do país. Por isso, é importante reforçar aos produtores agrícolas da região sobre a necessidade de se preservar a vegetação nativa.

A legislação contra o desmatamento no Cerrado é muito menos rigorosa do que é aplicado em áreas onde há a vegetação da Floresta Amazônica. Isso significa que os produtores do Cerrado possuem limites de desmatamento que nem se comparam em termos de rigorosidade do que é aplicado em relação a Floresta Amazônica. No Cerrado, as leis determinam que os produtores rurais preservam de 20% a 35% da vegetação nativa das fazendas.

Segundo notícias divulgadas pela Abiove, o fundo proposto seria destinado aos agricultores que se destacassem em relação a preservação da vegetação nativa de suas fazendas. Considerando essa proposta, a Abiove sugere que os agricultores dentro dessas características recebam US$ 150 a cada hectare de suas fazendas onde a vegetação foi preservada. Nesse caso, apenas as áreas que poderiam ser desmatadas legalmente contarão para o recebimento do fundo. As áreas que não podem ser desmatadas não serão pagas aos agricultores.

Presidente da montadora CAOA, Carlos Alberto de Oliveira Andrade, conquista o prêmio de “Executivo do Ano”

O empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade foi nomeado o “Executivo do Ano 2019” pela 52ª edição do prêmio “Carro do Ano”, cuja a organização é realizada pela revista da Editora Globo, AutoEsporte, referência no setor automotivo nacional. A entrega e homenagem ao empresário Chairman da CAOA aconteceu em 26 de novembro de 2018, após um ano bastante movimentado da indústria automotiva, destacando a atuação da CAOA, que ao final de 2017, criou um acordo de cooperação tecnológica e comercial com a Chery, surgindo então a CAOA CHERY, uma nova montadora de característica totalmente nacional.

Com isso, o maior grupo de produção e vendas de veículos do Brasil, a CAOA CHERY, durante o primeiro ano de operação, registrou um crescimento de vendas bastante interessante, fazendo com que, no ranking divulgado pela Market Share, saltasse da 20ª posição para a 15º, no que diz respeito a categoria “marcas” do país. A expectativa para o presidente da empresa Carlos Alberto de Oliveira Andrade é de que, com o lançamento de novos produtos da marca, o avanço seja cada vez maior no futuro. Isso porque o Tiggo2, primeiro modelo apresentado pela CAOA CHERY depois da fusão, é considerado um sucesso de vendas.

Vale ressaltar também os vários modelos de carros híbridos e elétricos expostos pela empresa no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, além de futuros modelos como o Tiggo8, que comporta até 7 passageiros, e o sedan Arrizo5, que entra no mercado para concorrer com outros veículos modernos desse segmento. O estande da CAOA CHERY contou, ainda, com o SUV Tiggo5x, a ser lançado no final do ano de 2018, e o Tiggo7, terceiro SUV da montadora com previsão para lançamento no começo de 2019. Para Carlos Alberto de Oliveira Andrade, a homenagem recebida pela referida revista é motivo de muita felicidade e orgulho, demonstrando a importância do empenho que a CAOA tem nas relações com todas suas parceiras.

 

E esta grande conquista não é nenhuma surpresa para o renomado empresário. Carlos Alberto de Oliveira Andrade é detentor de uma trajetória profissional brilhante, sendo fundador e atual presidente da CAOA. Para o espanto de muitos, o Chairman é formado em Medicina e iniciou sua carreira no setor automotivo em 1979, quando adquiriu um Ford Landau em Campina Grande, Paraíba, mas não o recebeu, pois a concessionária havia falido na época. Dessa forma, despertou-se o espírito empreendedor no médico, que fundou a CAOA e passou então a gerenciar a concessionária Ford. O resultado veio em menos de seis anos, a CAOA tornou-se a maior revendedora Ford da América Latina e o empresário passou a ter mais prestígio dentro da área.

 

Dentre as relevantes conquistas da montadora CAOA de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, destaca-se, mais uma vez, a união com a Chery, uma das maiores exportadores de veículos chineses. Desta cooperação nasceu a 100% nacional CAOA Chery. Com isso, em quase quatro décadas, a empresa de Carlos Alberto já alcançou a marca de um milhão de veículos comercializados no país, estando presente em todas as regiões do Brasil.

Fundador da CVC Turismo, Guilherme Paulus dá início à construção de seu hotel-boutique

Uma região nobre da cidade de São Paulo foi escolhida por Guilherme Paulus para o desenvolvimento de seu mais novo negócio. Trata-se de uma unidade de um hotel-boutique da rede GJP. O empresário tem a intenção de dar início às operações do local em prazo máximo de até 3 anos, ou seja, há a possibilidade de que seja inaugurado no ano de 2021. O espaço adotado para tal construção é o mesmo em que outros tempos abrigava empresas de publicidade renomadas, como a Agência DPZ.

Por se tratar de um hotel-boutique, a obra privilegiará pontos que favorecerão eventos sociais. Desse modo, os apartamentos não serão as únicas estruturas presentes no local, uma vez que o projeto de construção prevê espaços para churrasco, reuniões e até mesmo restaurante. Em uma matéria veiculada pelo site da Istoé Dinheiro, há a informação de que Guilherme Paulus adotaria o mesmo modelo hoteleiro nas próximas construções do grupo. Outro estado poderá também ser escolhido para tal, como o Rio de Janeiro.

O grupo GJP, que será responsável pela construção do hotel-boutique, é um conglomerado formado por empresas de três tipos. No primeiro deles, os negócios são de natureza hoteleira, já os outros dois cuidam de trâmites relacionados à construção civil e incorporações de companhias. Na carreira de Guilherme Paulus o segmento turístico sempre esteve presente. Antes de formar sua rede de negócios, a principal atuação do empresário consistia em pacotes turísticos que eram vendidos por ele.

A CVC Turismo foi a primeira companhia fundada pelo empreendedor. Se na atualidade a empresa é reconhecida em face da grande variedade de pacotes turísticos que oferta aos clientes, em 1975, quando foi inaugurada, esta dispunha de poucos recursos. O empresário explicou que o público-alvo das vendas era significativamente menor, ficando restrito a um pequeno grupo de trabalhadores do estado de São Paulo. Após o trabalho desenvolvido por ele, ocorreu uma gradativa expansão da operadora turística.

Com o foco na construção de seu hotel-boutique, vale pontuar que Guilherme Paulus conseguiu atrair a atenção do Grupo Carlyle, que acabou comprando a CVC Turismo. O empresário, embora tenha vendido a operadora, foi designado para permanecer por um período gerenciando o Conselho Administrativo do local. Dentre as mudanças mais profundas operadas na companhia, aquelas relacionadas à compra e venda de ações foram as que mais se destacaram. Em um dos casos, contudo, a organização passou a funcionar com o capital aberto.

A abertura do capital da empresa representou uma espécie de marco, já que a partir dessa modificação, a forma como se investe em ações da operadora passou a ser a mesma verificada em grandes companhias. Além disso, espera-se que a receita da organização alcance valores mais elevados, já que se planeja a realização de um modo de expansão onde ocorreria a abertura de um total de 100 lojas. É esperado que supermercados passem a contar com estabelecimentos de vendas turísticas. Estes, por sua vez, seriam construídos de maneira econômica, reduzindo-se custos com construções tradicionais, ao passo em que o lucro obtido seria aumentado.

José Auriemo Neto eleva imóveis do Brasil a alturas maiores

A JHSF é a empresa líder e muito conceituado no setor imobiliário no Brasil. Foi fundada no ano de 1972 por dois irmãos sob o nome JHS. A empresa estava envolvida principalmente em serviços de construção e incorporação. Atualmente, está envolvido no desenvolvimento de shopping centers, hotéis exclusivos e um aeroporto internacional de negócios. Sua participação na indústria residencial e comercial também é bastante perceptível. A empresa é composta por quatro unidades de negócios. Estes incluem um centro comercial, aeroporto, incorporação e Fasano Hotel and Restaurants. A JHSF manteve sua posição no topo, porque é capaz de identificar oportunidades no mercado imobiliário antes de seus concorrentes. Isso permitiu que eles fossem pioneiros no setor e apresentassem soluções sustentáveis ​​enquanto desenvolviam projetos.

Ao longo dos anos, a empresa cresceu e se instalou em áreas como São Paulo, Salvador e Nova York. Ele redirecionou seu foco de negócios para onde há receita recorrente. Isso levou ao desenvolvimento do Projeto de Desenvolvimento Urbano Integrado Catarina . A primeira fase foi a criação do Aeroporto Executivo Catarina e do Catarina Fashion Outlet. A JHSF é uma grande empresa com mais de 40 anos. Ele recebeu reconhecimento internacional e também alguns prêmios por seu desempenho exemplar. Alguns desses prêmios incluem o prêmio PINI para a categoria ‘ousadia planejada’, e um de seus edifícios foi eleito como um dos melhores edifícios do mundo e aprende mais sobre a JHSF .

José Auriemo Neto é o atual presidente da JHSF depois de ter substituído seu pai Fabio Auriemo aos 27 anos. Estudou na Universidade Armando Alvares Penteado (FAAP) e começou a trabalhar na JHSF em 1993. Ele supervisiona os interesses da empresa em edifícios de escritórios, hotéis, e outros projetos de desenvolvimento. Como presidente da empresa, ele administra o portfólio de compras e varejo de grupos. Ele também supervisionou o primeiro empreendimento da empresa no varejo. Isso envolveu a assinatura de acordos de parceria exclusiva com Hermes, Pucci e Jimmy Choo. No ano de 2012, a empresa conseguiu uma parceria com a Valentino abrindo as primeiras lojas do gênero no Brasil.

Hotel integrante de grupo liderado por Guilherme Paulus é premiado no Equador

A cidade equatoriana de Guayaquil foi palco da premiação World Travel Awards, voltada ao reconhecimento dos segmentos hoteleiro e turístico. O Wish Resort, um dos hotéis presentes no grupo GJP, do empresário Guilherme Paulus, foi premiado em razão de ser considerado o melhor da América do Sul para hospedar famílias.

Com o prêmio de 2018, entregue em setembro, a unidade hoteleira idealizada e gerida por Guilherme Paulus totaliza duas vitórias, já que em 2016 também obteve reconhecimento semelhante. Na primeira vez em que conseguiu conquistar o título do World Travel Awards, contudo, as avaliações concluíram que o hotel foi o melhor posicionado entre todos os demais resorts existentes em território brasileiro.

Diversas outras categorias fizeram parte da premiação internacional, o que fez com que uma grande quantidade de hotéis fizesse parte da premiação. O prêmio avaliou estabelecimentos hoteleiros sob pontos de vista variados, tais como o que elegeu o melhor resort para quem visita ambientes de praia. Nessa categoria o vencedor foi o hotel Dom Pedro Laguna. Em se tratando de ambientes de luxo, o Saint Andrews recebeu a condecoração em razão de atender plenamente este tipo de público.

O prêmio também levou em conta que cidades melhor atendiam os turistas. O Rio de Janeiro, por sua vez, recebeu grande parte dos votos por se tratar de um munícipio que suscita o turismo voltado à pratica esportiva. Em se tratando das outras modalidades contidas na premiação, alguns dos hotéis vencedores estavam localizados na região sul do país, como por exemplo, o Wish Resort, que fica em Foz do Iguaçu.

O World Travel Award é conhecido, dentre outras características, pelo modo como elege os melhores hotéis e localidades em todo o mundo. Na etapa considerada a mais relevante do processo de avaliação, hóspedes ou turistas exercem a missão de avaliarem os estabelecimentos de acordo com o grau de satisfação de cada um. Outras fases também compõem o processo de apuração dos resultados, tais como a verificação de como se processa a administração desses espaços e a infraestrutura oferecida.

Espaços de lazer, gastronômicos e esportivos compõem a área do Wish Resort de Guilherme Paulus. Todas as dependências do hotel totalizam um ambiente de 225 hectares no estado do Paraná. Contando com o empresário no comando desde 2009, época em que o grupo GJP se interessou pela compra do imóvel, a unidade hoteleira passou por alguns tipos de reforma, além de operar através de uma nova forma de gestão.

Em conjunto com os 215 quartos existentes no local, o resort possui também áreas comuns aos hóspedes. Desse modo, o hotel de propriedade de Guilherme Paulus possui restaurantes, adega, duas modalidades de piscinas, bem como serviços de sauna e salão de beleza. A possibilidade de se praticar um esporte ocorre pelo fato do local dispor de um campo de golfe ao longo de 80 hectares. Já a gastronomia do estabelecimento permite que o hóspede tenha contato com pratos da culinária de outros países, como a Itália, por exemplo.

Pertencendo ao grupo GJP, cujas iniciais representam exatamente o nome do empreendedor Guilherme Paulus, o Wish Resort modificou sua maneira de operar em se tratando da gastronomia existente no hotel. Isso pode ser observado pelo fato da administração ter iniciado um programa de interação com quem lá se hospeda, já que permite com que os hóspedes deem suas opiniões acerca dos pratos que irão constar em todos os cardápios.

Serviço de saneamento básico pode ser beneficiado por concessões

Diminuição do desperdício, melhoria na administração, estrutura e recursos com a parceria do governo e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). É o que o especialista em projetos de infraestrutura Felipe Montoro Jens avalia como pontos importantes a serem considerados, conforme recente entrevista dada pelo presidente do Trata Brasil (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público que desde 2007 desenvolve pesquisas e projetos de saneamento básico), Edison Carlos.

Segundo Edison, se os órgãos do governo firmassem parceria com a iniciativa privada, poderiam otimizar e melhorar a prestação deste serviço, sem que isso significasse necessariamente a exclusão do órgão público. Com a experiência da parte do governo e o impulso da área privada, poderia-se trabalhar de forma suplementar, a fim de garantir uma prestação de serviços com mais qualidade e efetividade, ressalta Felipe Montoro Jens.

O desperdício hídrico é o principal ralo financeiro das estatais, analisa Felipe Montoro Jens. Com a elaboração de um plano personalizado para cada localidade, a possibilidade de moldar o projeto com base em estudos e levantamentos feitos para cada área impactaria de forma real na redução do prejuízo e perca de água antes de chegar à torneira do consumidor.

Felipe Montoro Jens ressalta que os recursos financeiros oriundos da iniciativa privada seria um excelente estímulo para investir em tecnologia avançada para gestão de recursos hídricos, melhorando a situação tanto na utilização dos recursos quanto na situação financeira das instituições públicas. Metas claras e fiscalização pública dos serviços prestados poderiam dar maior segurança na composição do contrato, sendo essencial a revisão de incumbências para que seja constatado o cumprimento do proposto.

Citando-se índices que trazem à tona o grau satisfatório da população com relação à performance de empresas públicas e privadas, observa-se semelhança entre os resultados. Edison acredita que a eficiência de uma organização não é medida pela natureza administrativa, mas sim pelo nivelamento entre operação e necessidade da localidade a ser atendida, tendo avaliação do custo inegável importância, pondera Felipe Montoro Jens.